Publicado por: Cláudia | junho 7, 2009

A arquitetura brasileira no cinema e na televisão

No final de minha infância, lembro de ter me encantado com uma casa que era cenário do filme Dormindo com o inimigo. Anos depois, descobri que se tratava de uma obra do arquiteto americano Richard Meier.

Ainda me surpreendo ao reconhecer a arquitetura no cinema e na televisão, o que me faz refletir sobre como a arquitetura brasileira é retratada nas telas, já que o cinema nacional produz muitos títulos que tratam da temática da desigualdade social, tendo como grande cenário a favela. Pensando nisso, resgatei na memória algumas cenas  que mostram obras emblemáticas de nossa arquitetura. Coincidentemente a maioria delas está em filmes de grandes diretores.

Talvez a mais poética destas cenas seja a que retrata o conjunto do Pedregulho (Rio de Janeiro, 1952), de Affonso Eduardo Reidy, no filme Central do Brasil de Walter Salles. Trata-se de uma das principais obras do arquiteto, um projeto para habitação popular que englobava também espaços comerciais, de educação e lazer. O filme mostra um Pedregulho decadente, mesmo assim é possível ver beleza entre os enormes pilotis e os corredores curvilíneos protegidos por elementos vazados.

Conjunto Habitacional Pedregulho

Conjunto Habitacional Pedregulho

No filme Domésticas, Fernando Meirelles traz às telas um grande edifício da arquitetura paulista, o Louveira, de João Vilanova Artigas e Carlos Cascaldi. Muitas cenas do filme se passam na área de serviço do prédio localizado no Higienópolis. Certa vez, ao assistir o filme junto a uma amiga assistente social, mencionei que se tratava do prédio de um grande arquiteto. Ela afirmou não ver nada de especial na obra, criticando inclusive o espaço reduzido das dependências destinadas às empregadas. Eu, particularmente acho o prédio muito bonito. Bem, uma minissérie da rede Globo, nos permitiu conhecer o Louveira também pela porta da frente, o edifício era endereço da personagem vivida por Débora Bloch em Queridos Amigos. Esta minissérie tem como cenário outra grande obra. A casa do personagem Léo (Dan Stulbach) é a casa Edmundo Canavelas em Petrópolis, projeto de Niemeyer com paisagismo de Burle Marx.

A obra de Niemeyer pode ser vista nos cinemas no último filme de Glauber Rocha, A idade da terra (1980). O filme mostra o Teatro Nacional em construção e associa o edifício a uma pirâmide. Realmente, o projeto de Niemeyer aliado aos blocos do artista plástico Athos Bulcão trazem singularidade à obra, remetendo às grandes construções das civilizações pré-colombianas.

Teatro Nacional
Teatro Nacional

Outra obra de Niemeyer, o edifício Copan, esteve bastante presente na recente série Alice da HBO. A série teve a cidade de São Paulo quase como uma protagonista, nos levando a alguns espaços bastante representativos da metrópole como o parque do Ibirapuera, a nova ponte das Águas Espraiadas, o viaduto do Chá e o bairro da Liberdade. Era na galeria do Copan que a tia de Alice, Luli, possuía um brechó. No último capítulo descobrimos que o edifício abrigava também o apartamento de Nicolas, o amigo/namorado de Alice. Bem, mas as cenas de reconciliação entre os dois personagens foram tão quentes que ninguém deve ter prestado muita atenção no apartamento.

Outro dia estava “zapeando” com o controle da tv e dou de cara com um clipe de uma Wanessa e Ja Rule na VH1. Demorei para descobrir que se tratava da Wanessa Camargo. De qualquer forma, lá estava ele de novo, o Copan, agora visto de um ângulo pouco conhecido, os fundos, onde não existem os brises de concreto. Vale a pena dar uma olhada.

O edifício Copan também é destino comum das agências de publicidade. Aliás, tenho presenciado muitas propagandas que retratam o centro de São Paulo. Os anunciantes vão desde achocolatado na Praça Roosevelt ao carro do Jack Bauer junto à marquise de Paulo Mendes da Rocha na praça do Patriaca.

Para conhecer mais sobre as obras citadas:

Além de recomendar todos os filmes e séries aqui citados, há alguns documentários recentes que tratam da obra de Reidy e Niemeyer:

Pedregulho – O sonho é possível (2008) de Ivana Mendes

Reidy, a Construção da Utopia (2008) de Maria Magalhães

Oscar Niemeyer: A Vida é um Sopro (2007) de Fabiano Maciel

Anúncios

Responses

  1. Muito interessante o artigo.
    Quando penso em arquitetura no Brasil sempre lembro de Brasilia, e ai tem aquele filme com o falabela moleque, playboy, fazendo arruaça pelas ruas da capital – O sonho não acabou.

    http://www.interfilmes.com/filme_15289_O.Sonho.nao.Acabou-(O.Sonho.nao.Acabou).html

    Onde a cidade é personagem principal da história.
    Tem um filme chamado “Não por acaso” , que mostra a cidade de Sampa de uma maneira muito interessante ( pelo menos pra mim que sou totalmente leigo nesse assunto rsrs).

    É isso! Abraço! Adorei o blog!

  2. Hola Claudia, more no SP en el 2007, y goste muito de su arquitectura, especialmente higienopolis. Estoy trabajando en las locaciones del filme “Cegueira” de Fernando Meirelles, parece que el gosta muito tambien del Louveira porque tambien aparece en este film.
    Existe un otro film brasileiro donde ver Brasilia y se llama “las vidas de María”, debe ser del 2006.
    Parabens por tu blog, elis desde bs as


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: